Buscar

Ir ao Marrocos e não conhecer uma Medina é quase como não ir ao Marrocos.

Medina, que significa “cidade velha”, é a representação do início das cidades árabes e é formada por um emaranhado de ruelas. Pode parecer um labirinto à primeira vista, mas existe todo tipo de coisa dentro de uma Medina Marroquina: lojas, produtos, serviços, feiras, casas, hammam (locais de banhos separados por gênero e abertos ao público, já que nem todas as casas têm estruturas adequadas para banheiros). Por isso, é um consenso: ir ao Marrocos e não visitar nenhuma medina é quase como não ir ao Marrocos.



Medinas sempre têm muralhas ao redor e algumas entradas com grandes portais, alguns trabalhados com mosaicos. É sempre bom ter um guia para andar lá dentro, pois elas podem ser verdadeiros labirintos para pessoas desacostumadas (principalmente se você tiver na de Fes, considerada a maior do mundo árabe). Mas a experiência é incrível!


Podemos começar falando das lojinhas, afinal todos amam souvenires! Você encontra decorações para casa, roupas típicas como kaftans, óleo de argan puro, bolsas e muito mais. Só vá acostumado para dividir espaço com vários outros turistas, carros e principalmente lambretas, que são o meio de transporte mais popular nas medinas. Onde você passar vai encontrar várias, zunindo de um lado para o outro.



Outra coisa legal de lá são os fornos comunitários: árabes amam pão caseiro, mas nem todas as casas vêm equipadas com forno a lenha, então você pode ir com a sua massa de pão crescida, marcá-la de algum jeito (vale furinhos, desenhos e o que você quiser) e deixá-la lá com o responsável. Então é só voltar mais tarde e pegar seus pães fresquinhos e quentinhos!

Muçulmanos são maioria no Marrocos, mas judeus também são numerosos e eles dividem o espaço pacificamente: nas cidades existem cemitérios muçulmanos e judeus, às vezes de frente um para o outro. Nas medinas, o padrão é o mesmo e você tem a medina islâmica e a dos judeus, também chamada de Mellah. Mesquitas costumam ser fechadas para não muçulmanos, mas algumas sinagogas permitem visitas.


Nesse passeio, você pode sentir que entrou em uma máquina do tempo, direto para as civilizações antigas que você estudou nas aulas de história. Os passeios são transformadores.

E por último, mas não menos importantes: eles amam brasileiros! Se perceberem que você é do Brasil, vão te encher de muita simpatia e gritos de “Ronaldinho! Neymar! Obrigado!”.

Recomendamos fortemente que você reserve um espaço no roteiro para se aventurar nas Medinas, mas caso não saiba por onde começar, a Morocco Imperial está aqui para te ajudar! Pode falar com a gente que te contamos tudo!


0 comentário